Quinta-feira, fim de tarde

Eu te esperei naquela tarde Enquanto tomava um milk shake. E sim, eu sei que não rima, Mas fiquei realmente chateado quando percebi Que teu ônibus havia passado mais cedo. A leitura era agradável, E era uma tarde quente. Mas eu parecia um tolo ali, esperando Sem que você soubesse. Quem sabe, pensei, Ela não... Continue lendo →

Memento mori

Nestes dias Em que a morte ronda cada vez mais perto, Busco não mais perder tempo Com coisas que não valem o risco. O que te faz arriscar, então, Os segundos que escorrem, sem parar, De tuas veias? Com o que tua alma comunga, muda e etérica, Quando da queda de cidades e países? O... Continue lendo →

Pelo mundo

Saí pelo mundo Eu só queria colecionar umas novidades Pra te contar Enchi a mão de flores Trouxe a areia dos caminhos Transmutei a água em suor Só pra te dar Fiquei sabendo que você me olha Quando não estou, Passeando pelos rastros que deixei Se eu saio pelo mundo, é pra te procurar Em... Continue lendo →

Para Belchior, com liberdade(s)

Se você vier me perguntar por onde andei Durante esses dias tão escuros Digo que desapareci pelos sertões e pampas Dos sonhos daqueles que perderam a fé Sei que assim falando pensas Que o desespero é a moda do século XXI Mas é que ando mesmo meio cético, descrente, carente, sozinho, desligado De tudo o... Continue lendo →

Conquistador

Se eu te persigo ou te procuro à noite, entre densas nuvens de sonho, Como te sentes quando minha mão tateia a pele rara de teu rosto? Como te sentes quando, devassada a tua geografia, Eu me transformo de Conquistador em nativo? Se eu te navego, Oceano, rio, lago, Como te sentes quando eu naufrago... Continue lendo →

Versões de você

  Eu morava em teus olhos e nem sabia. Faz muito tempo que eu queria Me perder em teus cabelos, E passear sobre tua pele como quem navega. Mas, assim como há tempestades, Há amarras, e eu nunca pude Te tocar como desejava - Assim, como alguém sedento mata a sede, Ou como o cego... Continue lendo →

O paradoxo da distância

  Hoje choveu e eu lembrei de você. Assim, do nada, tua falta começou a crescer E eu me vi olhando para ti Através das palavras que jamais te substituem, mas Aliviam a saudade. No chão frio, eu te senti Enquanto o céu, que é grande Cobria nossos caminhos. E eu te agradeci E te... Continue lendo →

Estrelas Mortas

Meu céu contém estrelas mortas De uma luz que não pode mais voltar para casa. Minha memória está recheada de funerais: Pessoas normais que se foram e que, Dada a regra insensata e cruel, Não voltam mais. A distância afeta o tempo, dobra-o Em camadas grossas, frias: Desacelera o sentir. Não visto, não lembrado, dizem;... Continue lendo →

Para um amor infinito, a eternidade

  Por tuas mãos pequenas e teu lindo rosto suave; A pele morna e morena, A boca formosa e pequena: Poema. Em teu perfil sagrado O teu olhar, um enigma. Entre nós, um segredo: Em teu toque, um estigma. Paradigma. Solidão. Acendi então um desejo Fadado ao insucesso, prevejo. Para um amor infinito, a eternidade - Da... Continue lendo →

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: