Crônicas · Sem categoria

She’s leaving home

Ela prometeu que seria fiel até o fim, mas ele… bem, acho que ele não entendeu muito bem. Foi se afundando cada dia mais na rotina pesada de trabalho, deixando de lado as pequenas coisas, cegando-se quanto aos pequenos fios prateados que se rompiam, um a um, com a distância e a frieza. No início… Continuar lendo She’s leaving home

Chuva · Poemas

Para que serve a chuva?

Para que servem a chuva, o vento, o frio das manhãs? No caminho do trabalho, as roupas molhadas, O medo de cair, a lama, a gripe, Cabelos grudados no rosto, lábios e dedos de pontas roxas, Carros que passam e ameaçam Com banhos inesperados e indesejados, E eu pergunto: Quem gostaria de sair de casa… Continuar lendo Para que serve a chuva?

Poemas · Solidão a dois

Falso nirvana

Há em tua graça felina O silêncio ofensivo De uma sensualidade tépida. É isso o que me intriga e acende, E enche minha boca de sorrisos Enquanto passas, livre, Diante de meus olhos. É em teu toque macio Que reside o segredo bandido das palavras não ditas. Isso, que me arrepia e consome, Enche-me o… Continuar lendo Falso nirvana

Fotografia

Meio caminho

Numa manhã de trabalho colaborativo, eu e o Giovanildo Teixeira, do Degustação Visual, saímos a andar e registrar momentos e paisagens do Jereissati III. Eis o resultado do que deu para fazer, apesar dos imprevistos.

Sem categoria

Casa vazia

É numa tarde quente, de céu claro, Que eu me lembro de você. As cascatas de cabelo macio Brilhando castanhas sob o sol; Os pequenos sinais na pele, ou Aquele jeito bonito e doce de falar. E aí eu lembro de nossos combinados, E de todas as palavras e enganos que trocamos. Fico pensando em todos… Continuar lendo Casa vazia

Amor · Poemas

A divina comédia humana

  E naquela tarde tu me perguntaste sobre o amor. Eu, do alto do meu cinismo, falei sobre tudo: Hormônios, química, rotina… Palavras tão cansadas e cinzentas que me vi, por um instante, Como um velho amargo sentado, sozinho, Resmungando sobre a vida. Eu continuei falando e falando, arrotando teorias, Achando que o melhor era… Continuar lendo A divina comédia humana

Poemas · Reflexões

O estrangeiro

  Sempre fui um estrangeiro nesta terra, Eu quem não quis aceitar. Vesti as roupas e máscaras e fingi – Por tanto tempo! – ser um deles que, Quando vi, Já não podia mais acreditar. Mas eu Hoje eu acordei com uma vontade meio louca e torta de viajar, Sair por aí pelo mundo Sem… Continuar lendo O estrangeiro

Poemas

Talvez você não saiba

Talvez você não saiba Das coisas infinitas Que podem caber Dentro de uma canção, No vento, Ou no aroma doce das manhãs. Não sei se você lembra, mas Eu te guardei em meu abraço Como para te proteger, Ou para te consumir, Quem sabe para te manter intacta em mim, Um fóssil, uma fotografia, Uma… Continuar lendo Talvez você não saiba

Sem categoria

A canção do mar

Ouça a canção do mar e sinta A maresia a invadir o teu castelo. Veja as ondas a tecerem suas rendas de espuma Como se a areia e o sal Soubessem segredos guardados de séculos atrás Quantos sábios de coração partido são necessários Para fazer nascer um oceano? A brisa sussurra mentiras sobre o pó… Continuar lendo A canção do mar

Amor · Paixão · Poemas

O amanhã que não chega

O olhar que me domina é o que me prende: Nuvem solta no céu, rastros de um perfume, Troca de átomos e estática no contato Nossa paixão é grama que racha o asfalto. O desejo é a ilusão da suprema carícia, Uma que suprisse toda a carência… No caminho, um sorriso, um toque, um choque:… Continuar lendo O amanhã que não chega